Curiosidades

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

A Primeira Pista

A primeira pista sobre a famosa cena 75 da Besta, ficcionalmente, está localizada na Polônia. Pouca gente sabe, mas é verídica a informação de que quando, em setembro de 1939 a Polónia foi invadida pelas tropas alemãs, a cidade de Angers hospedou o governo polonês no exílio. Os vários departamentos poloneses se instalaram na cidade de Angers e no castelo de Pignerolles em Saint-Barthélémy d'Anjou, que é uma réplica do Petit Trianon de Versailles. Władysław Raczkiewicz, presidente da República polonesa, residiu dois anos no castelo (foto), que neste período foi a capital da Polônia. Em 12 de junho de 1940, quando a França por sua vez foi invadida pela Wehrmacht, o governo polonês deixou Angers para se instalar em Londres.

Joseph Fouché

Leonardo, personagem central do romance, que se comparava a Joseph Fouché, tem do que se orgulhar do seu mestre. Fouché é considerado o pai da espionagem moderna. Desvendou o caso da "maquina infernal", uma carroça com explosivos que, por pouco, não tirou a vida, em 24 de dezembro de 1799, do Cônsul Bonaparte em sua ida à Opera para se deliciar com um oratório de Haydin. O seu braço direito era François Eugène Vidocq, o chefe das investigações da sinistra Sûreté Nacionale, a policia civil, fundada em 1810. Balzac, impressionado com Vidocq, colocou-o em vários episódios da Comédia Humana como Vautrin, um ambíguo gênio do mal. Fouché espionava todo o mundo atrás das cortinas e dominava a arte de saber fazer confessar até os lençóis e os travesseiros. Joseph Fouché é uma das mais célebre biografias de Stefan Zweig. Pode-se dizer que por detrás da Tcheka dos bolcheviques, da Gestapo dos nazistas, da Stasi dos comunistas alemães, do Dops brasileiro, da Dina de Pinochet, esteve sempre a fantasmagórica mão ossuda, bisbilhoteira e implacável, do tenebroso Joseph Fouché.

Nicolas Fouquet

Não se deve confundir Joseph Fouché com Nicolas Fouquet, superintendente das finanças, do rei Luís XIV. No dia 17 de Agosto de 1661, Nicolas recebeu o Rei e toda a Corte para uma festa grandiosa para 3000 convidados no seu Castelo de Vaux-le-Vicomte (foto), recém construído. O soberano, que suspeitava dele ter desviado 12 milhões de libras do Tesouro Real (na realidade, foram apenas 8 milhões), não teve mais nenhuma dúvida e mandou Artagnan prendê-lo algumas semanas depois da suntuosa festa. Fouquet foi condenado a passar 15 anos preso na fortaleza de Pinerolo, na Itália, onde morreu em 1680. Depois de numerosas suposições sobre a identidade do "Homem da máscara de ferro", várias pesquisas afirmam que Nicolas Fouquet era esse prisioneiro secreto. A hipótese foi confirmada graças ao estudo dos salários dos carcereiros e a diferentes depoimentos da época.

Academia Militar de Angers

O Castelo de Angers como estrutura militar foi muito importante no século XIX, porque era onde funcionava a Academia Militar de Angers, que treinava jovens para as guerras napoleônicas. Numa ironia do destino, Arthur Wellesley, 1.º Duque de Wellington, mais conhecido por ter tomado parte na derrota de Napoleão Bonaparte na Batalha de Waterloo, foi treinado na Academia Militar de Angers.

Blanche de Castille

Um exemplo de boa governabilidade chefiada por uma mulher foi Blanche de Castille (1187-1251), que se casou com Luís VIII da França (foto) e se tornou Rainha e depois Regente, com a morte prematura de Luís VIII. Como rainha mãe soube triunfar sobre as coligações formadas contra a sua pessoa e contra a monarquia pelos grandes vassalos. Foi celebrada pela sua beleza tanto quanto pela sua sagacidade. Inspirou uma arrebatada paixão ao conde Teobaldo IV de Champagne, que a apoiou politicamente e a cantou na sua poesia. Em 1249 ela completou a absorção do Midi para o estado francês e fez alianças vantajosas. Como resultado, o reino da França foi assumindo a forma e a aparência que tem hoje.

0 comentários:

Dúvidas, críticas, sugestões? Poste aqui!