A BESTA, a arma proibida

terça-feira, 16 de novembro de 2010

A Besta ou balestra usada por Aurélien Kleber no Castelo de Angers é uma arma com a aparência de uma espingarda. Tem um arco de flechas, acoplado na ponta de sua coronha que lança flechas, cujas pontas quadrangulares de aço (quadradelo), semelhantes a uma pirâmide, atingem fatalmente os alvos. Existiam dois tipos: as manuais ou portáteis, carregadas e manejadas por um só homem, a pé ou a cavalo, e as "pesadas", postas sobre bancos ou cavaletes nas seteiras dispostas em renques nas muralhas, usadas como armas de defesa.

Entre os século XIV e século XVI, as Bestas tinham um alcance considerável, entre 230 e 250 metros de distância, e tinham força suficiente para atravessar a maioria das armaduras da época.

Entre um disparo e outro, o besteiro tinha de colocar um novo quadradelo na haste, enrolar, então, a corda com uma alavanca até ao ponto certo para o novo tiro, o que requeria muita força física e demandava tempo. Geralmente, o besteiro estava acompanhado de um segundo homem que carregava um pavês, um escudo comprido feito de carvalho e salgueiro para protegê-lo dos ataques de flechas inimigas, enquanto estava carregando a sua poderosa arma.

A Besta têm esse nome por causa do ato pontifício de Inocêncio III, que proibiu utilizar esta arma mortífera contra outro cristão, embora fosse permitido usá-la contra os infiéis. Ricardo Coração de Leão ignorou a proibição. Dotou os seus exércitos de infantaria de bestas pesadas, o que não impediu de morrer em 1199, devido a um ferimento recebido no braço direito, causado justamente por uma flecha de uma besta.

O lendário suíço Guilherme Tell, para se livrar da prisão, teve que flechar uma maçã colocada sobre a cabeça do próprio filho. Tratava-se de um ordálio, ou prova divina de sua inocência (caso acertasse) ou culpa (se errasse), no conceito do direito medieval europeu. Será que a Besta, arma mortal, é usada contra a Besta do Apocalipse? Só lendo o romance…

3 comentários:

Anônimo,  16 de dezembro de 2011 11:16  

O texto ficou bem legal e a imagem me ajuda a orientar, ainda mais agora que estou escrevendo um romance... -nn
Na verdade não é bem um romance, mas a frase final me fez pensar nisso, o que importa é que no fim a besta servirá para matar uma vampira e esse texto foi muito informativo, embora seja meio que um resumo da wikipédia (já que vi texto semelhante lá) é até bom, principalmente pelo fato de eu estar morrendo de preguiça de ler um texto enorme, é '-'

Anônimo,  2 de novembro de 2012 01:45  

Muito elucidativa a explicação,que, de forma abrangente e concisa, despertou a vontade de me aprofundar no tema. Ao me deparar com o título da obra pela primeira vez, não me dei conta de que se tratava do artefato de guerra, o qual já se havia apagado da minha memória. Erroneamente, pensei tratar-se de um personagem de ficção. Com o esclarecimento, meu interesse se viu aguçado, o que me impele a buscar a leitura desse livro o mais breve possível.

Richard Henrique 7 de novembro de 2015 05:45  

Essa arma e excelente fora que é muito confiável.

Dúvidas, críticas, sugestões? Poste aqui!